13/02/2016

"Jovens da Bíblia": Daniel - Amor a Deus, o princípio do chamado.
Mocidade Nova Vida19:10 0 comentários


Boa noite, pessoal!

Hoje, de fato, daremos início a nova série - "Jovens da Bíblia". Como dito na semana passada o intuito dessa série é nos aprofundar um pouco nas experiências que os jovens da Bíblia viveram e delas tirar lições para aplicar no nosso dia-a-dia, afinal nós jovens às vezes não sabemos como lidar com determinadas situações e geralmente esquecemos ou até desconhecemos que o nosso manual (a Bíblia) traz as mais diversas dicas e orientações pra nós.

O já adianto que o foco não será reescrever a histórias dos personagens para vocês, mas, sim, encontrar na vida deles pontos que nos oriente e nos inspire a cada dia sermos alguém mais próximo de quem Deus quer que sejamos!

Sendo assim, vamos ao que interessa!

Começaremos a série falando um pouco sobre Daniel, que, querendo ou não,  ficou marcado ou conhecido pela "cova dos leões", mas a história dele não começa e nem termina aí.

Daniel foi nascido e criado em Judá, a história nos conta que ele vinha de família nobre e que teve uma boa educação no decorrer dos anos o que fez dele um jovem culto. Todos esses atributos foram determinantes para que Daniel fosse escolhido dentre vários jovens para servir a Nabucodonosor no palácio babilônico quando Jerusalém foi sitiada e parte do povo, mais especificamente jovens, foram levados cativos. Chegando na Babilônia, o nome de Daniel foi mudado, a ele foi proposto se alimentar das comidas locais oferecidas a deuses, armaram emboscada para ele e ele foi parar numa cova de leões, ele recebeu grandes revelações de Deus e fez a diferença por onde passou. E  daí começa os ensinamentos que tiraremos hoje! 

Deus tem formas de trabalhar que não entendemos e muitas vezes Ele não quer que entendamos, quer que apenas cumpramos o que é proposto por Ele a nós, e vejo isso com Daniel. Desde o início Deus já havia o preparado para levá-lo à Babilônia, permitindo que ele fosse alguém capacitado o suficiente para chamar a atenção do chefe dos eunucos, que viu nele potencial para servir o rei.

Muitas vezes Deus começa a nos usar não a partir de dons espirituais, mas, sim, de talentos naturais. Por isso até ao nos capacitarmos profissionalmente, academicamente ou para praticarmos um hobby que gostamos, devemos pedir a Deus orientação e dar o nosso melhor. Você pode até pensar que isso é besteira, afinal pra que vai servir, por exemplo, eu aprender técnicas de fotografia para a obra de Deus? Bem, eu não sei. Mas você já pensou que Deus pode falar com alguém através de uma fotografia que você tenha tirado de uma paisagem ou algo do tipo? Deus é multiforme e age como e através do que Ele quer.

O segundo ponto interessante da história é o que todos nós conhecemos bem, o fato dele não ter se contaminado com "os manjares" que tinha na Babilônia. Se vermos por uma visão superficial, veremos alguém que apenas rejeitou uma comida em que todos poderiam ver que através dela ele trairia Deus, mas se vermos com mais profundidade, conseguimos perceber que o não dele vai além do que as pessoas podem ver, e a continuação da história dele na bíblia comprova isso! Ele decidiu, no coração dele, não ser alguém com um nome diferente em um lugar desconhecido que, consequentemente,  pode fazer o que quer, afinal, não teria ninguém ditando o certo e errado pra ele, nem cobrando suas atitudes. Mas ele decidiu ser quem ele realmente era, quem ele de fato queria ser, um jovem que temia a Deus no seu íntimo, e que por temor Aquele que está em todos os lugares, não faria nada que pudesse manchar sua história com Deus.

Se pra isso fosse preciso ele não comer, ele não comeria. Se fosse preciso dizer não à duras penas, ele diria. Se fosse preciso ficar na rua sem ter onde dormir, ele ficaria. Se fosse preciso ele ir à cova dos leões, ele iria (como foi). Porque a história dele com Deus valia mais do que tudo e qualquer coisa e não se restringia a estar perto dos seus pais e amigos, em estar na igreja ou na escola. Ele entendia que o Deus a quem além amava, além de servir, não se restringia ao espaço físico ou momento, mas sim, o via, o acompanhava o dia todo, a todo o momento. E essa é um situação complicada de se correlacionar ao nosso cotidiano, ainda mais comparando com a vida dos jovens de hoje, que cada vez tem mais oportunidades e, não poucas vezes atração por elas, de curtir e fazer o que desagrada a Deus. Muitos pensam que precisam manter aparências diante dos pais e amigos da igreja. Porém quando saem da presença deles se tornam outras pessoas, as pessoas que realmente são, mas se esquecem que Deus está em todos os lugares e situações e que não adianta ter dupla personalidade, Aquele a quem de fato interessa a nossa forma de ser e agir, já sabe que tais jovens não estão sendo fiéis a Ele, e o pior, com tal comportamento estão envergonhando o nome de Cristo e até impedindo que outras pessoas tenham vontade de conhecer verdadeiramente a Deus, porque em lugar nenhum falsidade (dupla personalidade), gera confiança (acreditar que o evangelho deve ser levado a sério). 

O  terceiro e último ponto que quero abordar sobre a vida de Daniel envolvem três coisas: intimidade com Deus, humildade e submissão. No primeiro ponto eu falei sobre não sabermos o que Deus quer fazer através de nós, e penso que Daniel, apesar de todo o compromisso com Deus também não sabia o porquê de ser levado cativo para uma terra estranha, deixando tudo o que era seu (pais, amigos e vida, na verdade) para trás. Porém, Deus usou a vida de Daniel para ser um instrumento da glória de d'Ele naquele lugar.

Deus usou Daniel para interpretar sonhos importantes, profetizar coisas a seu povo e escrever um dos livros escatológicos mais importantes da bíblia, que tem reflexo na nossa vida até hoje! Você acha que o jovem exilado, chamado Daniel, que chegou um "zé ninguém" na Babilônia imaginava tudo isso? Não. Mas Deus queria usá-lo pra TUDO isso! Porém, só foi possível o todos esses acontecimentos, porque Daniel, além de amar a Deus acima de tudo e todos, tinha uma vida de intimidade com Deus humildade e submissão. Como que Deus revelaria sonhos e profecias a Daniel se eles não tivessem um relacionamento contínuo e diário? Como que Deus honraria Daniel em uma terra estranha se ele não fosse humildade de coração e entendesse que tudo vinha d'Ele? Como que Daniel chegaria tão longe no que fez e foi útil a Deus se ele não seguisse as orientações divinas? A resposta para todas as perguntas é uma só: SERIA COMPLETAMENTE IMPOSSÍVEL!

Todos nós queremos que Deus faça algo através de nós, porém a grande pergunta é: além da vontade de sermos usados, também estamos dispostos e sermos preparados para tanto e fazermos conforme Ele quer e não segundo o que queremos?

Pra Daniel chegar onde chegou e ser quem ele foi o caminho foi árduo, cansativo e, não poucas vezes e nem com pouca intensidade, doloroso. Mas ele conseguiu cumprir o propósito de Deus pra vida dele, pois o amor dele a Deus o tornou disposto a tudo, não porque ele imbatível ou super resistente, mas porque Deus era tudo pra ele.

Que assim como a chama do amor a Deus durou e resistiu a tudo no coração de Daniel, ela possa durar e resistir a tudo em nossos corações. Que estejamos dispostos e atentos a sermos instrumentos de Deus onde e com quem estivermos, independente de tudo e qualquer coisa, porque assim como Daniel não sabia a proporção do que Deus faria através dele, eu e você não sabemos a proporção do que Deus fará através de nós, mas uma coisa é certa, NÓS NÃO ESTAMOS AQUI A PASSEIO!


Espero que tenham gostado do primeiro jovem da série e da nossa abordagem sobre ele e fiquem ligados, sábado que vem, tem mais!

Fiquem na paz!



0 comentários

Postar um comentário