27/02/2016

"Jovens da Bíblia": Jacó - Vivendo a quebra de princípios
Mocidade Nova Vida16:19 0 comentários


Olá pessoal!
Dando continuidade à nossa série sobre os jovens da bíblia hoje falaremos sobre Jacó.

Jacó tem sua história contada na Bíblia de Gênesis do capítulo 25 ao capítulo 50. Todos esses capítulos não falam exclusivamente sobre Jacó, mas também sobre seus antecedentes, descendentes e todo o contexto que os envolve e envolve também a Jacó. A Bíblia relata sua história desde a gravidez da sua mãe (25.19) e vai até o seu enterro (50.13). Porém, o que analisaremos hoje não será o início da sua vida ou o final dela, mas, sim, como ele a conduziu ao longo dos anos.

A história de vida de Jacó é uma das mais fortes da Bíblia (ao meu ver) em relação a colher frutos de atitudes erradas do passado. Desde o início de sua vida ele demonstrou ter tendência ao engano e  se aproveitar das pessoas.

O primeiro episódio em que vemos Jacó se aproveitando de alguém, é quando ele ainda jovem propõe a seu irmão lhe vender a primogenitura em troca de uma prato de lentilha (25.30-34). Naquele tempo a primogenitura era algo extremamente importante e, teoricamente, intransferível, e Jacó sabia disso, mas ele não se contentou em ser quem ele era e ter o que ele tinha; e como sabia que não teria como obter seu desejo se aproveitou de um momento vulnerável de seu irmão para propor a troca.

O segundo momento em que vemos a tendência fraudulenta de Jacó em ação, é quando ele engana o próprio pai a fim de se beneficiar com algo que não é seu por direito, a benção da primogenitura (27.18-30). Quero aqui, abrir um parenteses, para explicar a diferença entre direito e benção da primogenitura. O direito a primogenitura permitia ao filho que nasceu primeiro a garantia de maior parte da herança e a liderança sobre a família. Já a benção da primogenitura é o que hoje entendemos por profecia, aquilo que o pai falasse ao filho, com relação ao seu futuro, com certeza se realizaria e por ser o primogênito melhor parte dos "desejos" proferidos eram destinados a ele.

Diante disso tudo, podemos ver a seriedade desses acontecimentos, e mais importante que ter a liderança da família e a maior parte dos bens, era ter a benção sobre o futuro e Jacó com sua ganância e insatisfação, usurpou tudo isso, de forma intencional, do seu irmão.

Tais comportamentos de Jacó, renderam-lhe consequências irreparáveis no futuro e boa parte delas vieram através de uma "carta na manga" muito bem conhecida por ele, o engano e tirar proveito dos outros.

Não envolve engano, mas foi uma consequência, teve que fugir de casa e ficar longe de sua família para não ser assassinado pelo seu irmão (27.41-44 e 28.5).

Foi enganado por seu sogro (28.25-27) que prometeu que após 7 anos de trabalho daria Raquel (a quem Jacó muito amava), por esposa, porém no lugar deu sua filha Lia e o fez trabalhar mais 7 anos para ter a Raquel.

Além de ter sua única filha mulher violentada (34.1 e 2), seus filhos, sem seu conhecimento e consentimento, invadiram a cidade de Siquém (terra em que o homem que violentou Diná era príncipe), mataram todos os homens e saquearam todos os bens deles, dizendo estar "lavando" a honra de sua irmã (34.25-31),mas por conta disso toda a família teve que sair fugitiva para não ser dizimada.

Seu filho preferido, José (37.3) foi vendido pelos próprios irmãos (37.28). Porém, eles ao invés de falarem que haviam vendido o irmão, disseram ao seu pai, Jacó, que ele havia morrido (37.31-33), o que fez Jacó sofrer amargamente (37.34 e 35), pois ele amava muito a José.

De todos os "golpes" que Jacó levou, o da suposta morte do filho, foi o mais duro. Ele passou 22 anos sofrendo por conta do engano de seus filhos e só no fim de sua vida quando reencontrou José e pôde ter um pouco mais de paz, na terra do Egito, onde ficou alguns anos antes de morrer.

Embora Jacó tenha tido paz nos últimos dias de vida, nada pôde apagar as marcas que a quebra de princípios geraram em sua vida. Se ele desde o início não tivesse quebrado o princípio da honestidade, sua vida teria tido outro rumo, que provavelmente não lhe traria tantas dores. Como em Gálatas 6.7 diz, tudo o que o homem plantar, ele irá colher! Se ele não tivesse plantado engano, com certeza não teria o colhido.

Assim como Jacó ainda bem jovem agiu sem pensar no alcance das consequências de suas ações, nós jovens muitas vezes fazemos o mesmo. Nos iludimos com o pensamento de que ainda viveremos muito e conseguiremos lidar com tudo, e nisso vamos fazendo burrada. Burradas essas que resultam em laços familiares cortados, amigos perdidos, casamentos fracassados, vida profissional sem perspectiva e não muito difícil ou incomum, futuro destruído

Um princípio quebrado hoje é uma brecha para sofrimento amanhã. Sabemos que a vida não é e nem será fácil, Jesus já nos advertiu "Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo" João 16:33, mas Ele prometeu estar conosco e nos dar um futuro abençoado "Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês", diz o Senhor, "planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro." Jeremias 29.11. 

Porém, para que a benção d'Ele esteja sobre nós, nós precisamos estar debaixo da vontade d'Ele e sermos obedientes. Deuteronômio 28 fala sobre isso, a benção que acompanha a obediência e a maldição que acompanha a desobediência.

Então meus queridos, o que eu digo a vocês é: Não quebrem os princípios de Deus para a sua vida! Não troque os valores d'Ele por aqueles que o desagrada. As consequências podem ser irreparáveis, e as marcas na alma, profundas e extremamente doloridas.

Se você até hoje quebrou princípios, se arrependa e volte a ser alguém cujo Deus se agrada, e se você não tem quebrado, permaneça assim, pois querendo ou não, o que eu e você fazemos hoje, é o que determinará o nosso futuro!

Fiquem na paz!

0 comentários

Postar um comentário