25/05/2016

Pai nosso
Mocidade Nova Vida20:58 0 comentários

Boa noite, galera!

Hoje é dia de música e quero compartilhar com vocês a minha reflexão sobre uma:

Pai nosso (Our father)


Na semana que eu estava pensado em falar sobre essa música aqui no blog, ouvi uma pregação sobre o contexto dela, e isso só confirmou minhas reflexões e que de fato deveria compartilha-las com vocês. Então vamos lá!

Essa música tem sido muito cantada, tocada e ouvida em nosso meio; nas rádios, igrejas que tenho visitado, na minha igreja e por aí vai. Por conta disso, resolvi analisar a letra dela com vocês com um pouquinho mais de profundidade.

Muitas vezes nos deixamos levar pela melodia e esquecemos de pensar no que estamos professando através da letra que estamos cantando e isso não é legal, muito menos coerente. Sendo assim, quero hoje levá-los a pensar sobre o que estamos professando quando cantamos essa música.
Pra começar, acho essa música linda! Ela é literalmente uma oração, pois é feita com trechos da  oração do Pai nosso (Mateus 6.9-13).

O tema central dessa música é o Reino de Deus e a vontade d'Ele em nossas vidas. É muito interessante parar para pensar sobre o Reino de Deus. A bíblia fala que o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo (Romanos 14:17) e  que não consiste em palavras, mas em poder (1 Coríntios 4.20). Logo, quando eu peço o Reino de Deus, quando eu quero que o Reino d'Ele se estabeleça, eu estou pedindo que a justiça de Deus (que muitas vezes não vai de encontro com o que eu entendo por justiça - Rm 1.17), a paz de Deus, a paz que Ele dá (que não é ausência de guerras, mas é paz em meio a elas - Jo 14.27), a alegria do Espírito Santo ( que independe de situações está baseada em termos Deus e estarmos diante d'Ele - Sl 16.11) e o poder d'Ele ( que em nada se assemelha a definição de poder que, pela ótica humana, na maioria das vezes, está relacionada à  superioridade, arrogância, egocentrismo e coisas do gênero - Romanos 1.16) façam parte da minha vida, do meu contexto, do meu cotidiano
.
Como é possível ver pelas referências bíblicas, viver o Reino de Deus é algo lindo, sobrenatural, porém, desafiador. É muito mais profundo do que na maioria das vezes imaginamos, e não dificilmente irá confrontar valores terrenos que temos, somos apegados, mas para de fato viver o Reino, precisamos desconstruí-los e refazê-los.

Quando estamos dispostos a viver o Reino de Deus verdadeiramente, começamos a nos permitir viver a vontade d'Ele, que é superior a nossa e vai além das nossas expectativas (Isaías 55.9). Nesse ponto também convém entender, que nem sempre a vontade de Deus vai ir de encontro à nossa, mas, diante das incertezas que possam (e irão) surgir, é importante continuamente crer em sua onisciência e, que por Ele ser nosso Pai, sempre nos fará o melhor (Lucas 11. 11-13).

Concluo minha reflexão desejando que da mesma forma que o Pai tem impulsionado a desejar o Reino e a vontade d'Ele todos os dias, Ele os impulsione também. Que essa música, esse louvor, não nos marque apenas pela melodia ou vozes bonitas que a cantam, mas principalmente pela mensagem que ela traz. Que o Reino de Deus seja estabelecido na minha vida, na sua vida, e por conta disso, consequentemente, seja estabelecido por onde passarmos.

E para fechar com chave de ouro, ouça e medite sobre o que falamos hoje, com a música tema do post:



Fiquem na paz!

Categoria:

0 comentários

Postar um comentário